As mulheres do São Francisco

0
301

Augusto Pestana tem o privilégio de ainda ter um hospital para atender a comunidade, já que muitas cidades pequenas não conseguem usufruir desse serviço em seus municípios.
No dia 26, a Associação Protetora do Hospital São Francisco (HSF) completou 80 anos de história. Para marcar essa data, a Câmara de Vereadores de Augusto Pestana realizou, no último dia 25, a pedido do Vereador Gilberto Zardin uma Sessão Solene para homenagear o hospital.
Porém, um fato há duas décadas fez com que a instituição alcançasse a atual marca. No dia 31 de março de 1999, 12 mulheres assumiam a direção do hospital, lideradas pela presidente Craudi Pizzutti. Compuseram a chapa, Sueli Schuster, Nilvia Mattioni, Liane Wildner, Sônia Müller, Carmen Drews, Leonair Sost, Sirlei Mendonça (em memória), Tania Deboni, Terezinha Riethmüller, Sonia Goettems e Maria Jacinta Scarton.
A ideia de montar uma diretoria só de mulheres, foi da própria presidente Craudi, a qual tinha seu esposo como médico e sentia de perto as dificuldades que o hospital enfrentava na época, tanto financeira, como atrasos de salários e falta de médicos, principalmente à noite, pois não havia plantão.
O objetivo da direção só de mulheres era de colocar sensibilidade na administração da entidade, e para isso, Craudi foi em busca de lideranças femininas para compor a chapa.
Já no primeiro ano à frente da instituição, a diretoria começou a trabalhar para quitar as dívidas do hospital e sair da crise financeira que se encontrava. Além, de buscar formas para arrecadar fundos para manter em funcionamento o HSF.
A pressão que a nova diretoria sofreu foi intensa. A cada problema resolvido, outros apareciam. Naquela época, o hospital ainda realizava cirurgias e partos. Porém, parte da estrutura da entidade estava desativada.
Problemas de infraestrutura eram nítidos, já que em 1999, o hospital completava 60 anos de história, como comentou Sônia T. Müller, 2ª secretaria daquela gestão, que nos concedeu a entrevista. “Desde a rede elétrica, era um gasto em luz enorme, porque era tudo antigo. Eram aparelhos antigos. Foram muitas as dificuldades”.
A partir desse ponto, a direção buscou, em hospitais que tiveram dificuldades e conseguiram se reerguer, ideias de possíveis soluções para tirar o HSF da crítica situação que se encontrava.
A primeira foi a criação do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) para o combate do álcool e das drogas. A segunda, um lar para idosos dentro do hospital.
Em meados do ano de 2001, a direção apresentou, em reunião da 17ª Coordenadoria Regional de Saúde, que contou com a presença de 16 municípios, o projeto do Centro Regional de Referência em Saúde Mental que iria ser implantado junto ao Hospital.
Durante o processo de instalação do centro de tratamento a saúde mental, a diretoria realizou visitas a hospitais que eram referência para saber como funcionavam os atendimentos aos pacientes.
No ano de 2003, foi inaugurado o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS a/d II), com referência em álcool e outras drogas, já em uma sucessora diretoria. O CAPS viabilizou uma melhora no Hospital São Francisco, tornando-se referência regional. Atualmente, o CAPS atende um público de toda a região de diferentes faixas etárias, além de contar com uma grande estrutura anexada ao hospital.
O Hospital São Francisco é uma entidade beneficente, com certificado de Filantropia. O nome deu-se em homenagem ao seu idealizador Padre Francisco Burmann.
O hospital possui corpo clínico composto por médicos, psicólogos, psiquiatras, enfermeiros, técnicos de enfermagem, assistente social, educadora física, terapeuta ocupacional e nutricionista.
Dentre os serviços prestados pela instituição estão: assistência médica hospitalar clínica, atendimento ambulatorial, laboratório de análises clínicas, diagnóstico por imagem e serviço especializado de atendimento integral em saúde mental.
Hoje o HSF completando seus 80 anos, deve-se, a força, a garra, a luta e principalmente, além da ousadia, a determinação dessas mulheres que abraçaram o São Francisco e não deixaram essa história terminar.
O Hospital São Francisco tem muitas outras histórias de luta, porém, nós do Jornal Correio Regional, decidimos marcar esses 80 anos lembrando dessas mulheres, que há 20 anos tomaram as decisões certas para hoje o HSF estar de pé. Parabéns a toda a comunidade que é merecedora de ter um hospital, o nosso São Francisco.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui