Mulher do campo

Cheila Suzana Beck, 31 anos, reside na cidade com o esposo Adriano Lopes e duas filhas, a Isabela de 2 anos e a Gabrieli de 9 anos.
Na propriedade da família, em Fundo Grande trabalham, além de Cheila, sua irmã Alana, seu pai Remi e sua mãe Rosemara, que residem no local. Um casal ajuda nas tarefas da ordenha. Trabalham com 60 animais em lactação e produzem 1200 litros de leite por dia. Cheila acorda todos os dias às cinco horas e trinta minutos e já começa a primeira ordenha às seis horas.

A vida na agricultura
– Após o término da faculdade, foi quando pude me dedicar exclusivamente para a atividade leiteira. Antes eu ajudava nos finais de semana e nas férias da graduação. Porém a vida na agricultura vem de berço, desde nova o pai e a mãe já me incentivavam no campo.

Família
– A família é a base, é o pilar, é a sustentação, é a que te dá apoio, segurança, tanto para momentos bons quanto para momentos ruins. A família é com quem você pode contar a qualquer momento e qualquer hora do dia.

Sonhos
– Ah os sonhos, sempre são bons! (risos). A gente tem planos de melhorar a atividade, melhorar a estrutura, a genética dos animais, aumentar. Tenho sonho de tornar tudo isso maior.

Qual o papel da mulher na agricultura?
– O papel da mulher no campo está se aprimorando cada dia mais. A mulher está saindo do cotidiano, de dona de casa, para ajudar o marido e a si própria. Ela se tornou uma pessoa independente e mais qualificada, em questões de conhecimentos para a sua atividade. A mulher na agricultura hoje, desenvolve um papel fundamental, independente da propriedade, gerenciada ou não pelo marido ou pelo pai. Ela passou a administrar o trabalho, o próprio processo de funcionamento da propriedade e principalmente tomando as decisões, tornando ela uma empresária.

A vida na propriedade
A mulher do campo desenvolve e aprende com as tecnologias que estão surgindo, o trabalho está ficando mais leve, não é mais tão pesado, tão judiado como antigamente. A automatização está surgindo para melhorar a vida de todos e isso permite que a mulher esteja mais presente na atividade e também permitindo a ela ter mais opinião.

Quais os desafios da mulher agricultora?
– São muitos. Desde o momento que se acorda ela já tem tarefas. Ela faz o serviço da casa, trabalha na lavoura ou no leite e volta para os afazeres do lar, então ela está em muitos lugares ao mesmo tempo e o tempo se torna um grande desafio. Eu gostaria de ter um tempo a mais para poder me dedicar um pouco mais para as minhas filhas, um tempo a mais para meu marido.
A bacia leiteira hoje está em crise, se têm muita dificuldade para produzir. Gostaria de deixar meu apelo, para as pessoas que tem esse poder, de melhorar, de ajudar, para que olhem mais para o campo. Sempre trocamos conversar em grupos de mensagens e redes sociais, porém a gente tem pouca voz. Precisamos ser muito persistentes na atividade para vencer todos os desafios. Sabemos também da dificuldade que o empresário da cidade enfrenta, em conseguir muitas vezes um crédito e os impostos altos. O agricultor perde sempre em dobro, ele perde quando não produz e perde o investimento que foi preciso fazer para produzir, como por exemplo, quando houve a paralização, o leite foi fora e os animais precisavam ser alimentados, precisavam continuar recebendo os núcleos para a produção. Os políticos precisam olhar para o agricultor, nós da bacia leiteira estamos no limite, estamos sofrendo e muita gente está desistindo da produção e indo embora do campo.

A mulher na política
– Tão importante quanto a mulher do agronegócio é a mulher da política, as duas estão interligadas, pelo fato de terem que estar por dentro dos acontecimentos, da tecnologia, do Estado, como andam os negócios do governo. A mulher precisa saber de política para poder tocar a propriedade dela, pois as decisões do governo impactam diretamente na produção da propriedade. Assim, a mulher da política também precisa estar atenta ao cotidiano, a voz feminina é muito importante para a mulher do campo.
Seria interessante a mulher assumir mais cargos importantes, onde possa fazer ainda mais a diferença.

Quem é Cheila Beck?
Cheila Beck é uma mulher simples, não tem gostos muito exigentes, gosta da simplicidade. Quer estar sempre feliz com a família e feliz consigo própria e estou feliz na minha atividade e desejo isso para todas as mulheres da agricultura.
Desejo às mulheres muita sorte, que Deus ilumine o caminho de cada uma, porque todas as pessoas empreendedoras, mulheres e homens, precisam de uma pitada de paciência e compreensão. Desejo para que todas as mulheres do campo continuem persistindo na agricultura, na bacia leiteira, que tudo se resolve e vão prosperar.

Mulher Empresária

Beatriz Antônia Schwerz, a Bea, tem 61 anos, é empresária do ramo lojista, residiu em Rincão dos Bazzana, interior de Augusto Pestana até quando casou com Edir Schwerz.
A loja João e Maria iniciou as atividades no ano de 1986 com a cunhada e sócia Aldaci Schwerz, até quando surgiram as dificuldades financeiras na família. Depois disso, as mulheres terminaram a sociedade e Bea tocou a empresa por conta própria a partir de 1997, que irá comemorar neste dia 10 de março, 22 anos no nome da empresária.

Carreira Empresarial
– Fui incentivada pelo meu sogro, um grande empresário, que tinha uma empresa de compra de cereais por muitos anos, desde seu casamento. Quando casei com o filho dele, o Edir, vim morar na cidade e trabalhar com ele e carrego muita coisa dele. Era uma pessoa que não tinha hora para trabalhar e o cliente era muito importante, sem o cliente não somos nada. Então carrego muita coisa dele, inclusive essa percepção empresarial.

Família
– A eu adoro a minha família, a gente não tem filhos, mas para mim família não são só filhos. Eu tenho meus sobrinhos que eu amo de paixão, meus cunhados, nós somos em dez irmãos, tenho muitos sobrinhos e tenho muitos amigos, que considero minha família.

Sonhos
– Sabe que os sonhos depois dos 60 eles continuam, mas em proporção menor. Eu já abandonei muitos sonhos, a partir de uma idade a gente vai amadurecendo e vendo o que realmente é necessário. Eu quero é ser ainda mais feliz, viajar e conhecer muitos outros lugares.

Conquistas
– A conquista da mulher hoje é esplendorosa, grandiosa. Eu como mulher, conquistei meu espaço com essa pequena empresa. Eu tenho os meus negócios, junto, mas isolada do Edir, caminho meio só, tomo minhas decisões. Não fiz fortuna, mas vivo bem administrando minha empresa.

Qual o papel da mulher empresária?
– A mulher precisa transmitir a força dela. Nós mulheres conseguimos fazer mais coisas do que vocês homens ao mesmo tempo, simultaneamente (risos). Toda mulher tem sua casa para cuidar, eu tenho minha casa, meu esposo, uma irmã que eu auxilio, dou uma assistência para minha sogra. Os homens não conseguem fazer tanta coisa ao mesmo tempo, eles são mais diretos e focados no que estão fazendo em um determinado momento.

Porque as mulheres brasileiras estão empreendendo cada vez mais?
– Em primeiro lugar porque os homens entenderam que precisam de nós mulheres e estão dando espaço para nós. Na verdade, os homens são maravilhosos, eles dão espaço para a gente trabalhar, e acredito que 80% dos homens incentivam a mulher a ter o seu próprio negócio e ajudar na renda da família, juntos eles tem uma vida melhor e ela se torna independente.

O que é preciso para ser uma empresária de sucesso?
– Para ter sucesso no comércio, trabalhando com pessoas, é preciso gostar de pessoas, eu amo pessoas. Não vivo sem contato com gente, sou a mais nova da minha família e fui criada com muito carinho, com muito amor e para mim, conviver com as pessoas é a coisa mais maravilhosa. Não adianta internet, telefones e tecnologias, ao amo as pessoas, seja de qualquer raça, qualquer idade. Eu acho que isso é o mais importante.

Quais os desafios que a mulher enfrenta para ter e manter uma empresa?
– O maior problema hoje não é apenas da mulher empresária, é de todos donos de empresas. Os impostos altíssimos são a maior dor de cabeça e se você não estiver bem focada, bem organizada, não se consegue acompanhar o mercado. Hoje tudo é cronometrado e calculado. A minha empresa é pequena e as vezes trabalho até 9 horas da noite. Precisa de estudo e foco nos negócios.

A mulher na política
Nunca me envolvi politicamente, mas acho que a mulher tem uma visão mais ampla de várias coisas, ela não foca só em um assunto. Ela valoriza mais o ser do que o ter. A mulher na política tem ainda esse lado, além de administrativo ela ainda tem o lado afetivo.

Quem é Beatriz Schwerz?
É uma mulher que se criou na agricultura, estudei até o segundo grau, não fiz faculdade. Na época, faculdade era um bom curso. Trabalhei com nossa família na bacia leiteira. Eu sou uma pessoa que veio do interior e não quero perder essa origem. Quando me vem à cabeça, lembro como éramos ricos de oportunidades e felizes. Sou do interior, moro no interior (cidade, interior do estado), amo gente e adoro meu negócio para poder comprar minhas coisas, sou meio vaidosa (risos).
Quero agradecer e parabenizar a todas as mulheres que são minhas clientes a todos esses anos. Tenho clientes que vestiram os filhos e agora estão vestindo os netos com as roupas da loja. Muito obrigada. Parabéns a todas as mulheres de Augusto Pestana e da nossa região.

“Ande com gente que coloque combustível em seus sonhos, não água.”
Cláudio Duarte

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here