Cresce procura por seguro agrícola em Augusto Pestana

0
23
Devido à instabilidade do clima nas lavouras de inverno do Rio Grande do Sul, os produtores aumentaram a procura pelo seguro das lavouras (Proagro). Segundo o escritório local da Emater-RS, as principais culturas afetadas foram o trigo, aveia branca e canola, por causa da seca ocorrida no início do plantio e pela quantidade de chuva e granizo expressivo durante a fase de crescimento da planta. Em Augusto Pestana já foram feitos 88 pedidos de Proagro, sendo 4 para aveia branca, 5 para canola e 79 pedidos para o trigo. De acordo com o extensionista Fábio Toledo, a chuva em excesso, a seca e a geada prejudicaram a germinação do trigo, fazendo com que o PH do cereal ficasse muito inferior, resultando em um menor preço para o produtor. “O PH ideal para o trigo é de 78, que está sendo comercializado a R$ 28,50, os de PH 75 o valor está em R$ 27,00, os de PH 72 está sendo comercializado a R$ 23,50 e os com PH inferior a este número estão em R$ 20,00”, explicou Fábio. Os produtores pestanenses estão colhendo trigo com PH entre 69 e 73, ou seja, o grão está com qualidade baixa. “O que está sendo colhido nas lavouras pestanense não está cobrindo os custos que os produtores tiveram para fazer a instalação”. No município está sendo colhido em média 20 sacas por hectares de trigo. “Para o agricultor cobrir os custos da plantação precisa colher 42 sacas por hectare, com PH 78 e comercializar ao preço de R$ 30,00, ou seja, está bem fora da realidade dos produtores”, explanou Fábio. A Canola também não obteve uma boa colheita. De acordo com Fábio, a geada prejudicou a floração da cultura. No município foi colhido em média de 11 a 12 sacas por hectares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here